Demi Lovato estampa a capa da Paper Magazine e revela sua parceria com Ariana Grande
Demi Lovato estampa a capa da Paper Magazine e revela sua parceria com Ariana Grande

No final de 2020, Demi Lovato cortou o cabelo e as estrelas pop recebem muitos cortes de cabelo (no momento em que este artigo foi escrito, Billie Eilish simplesmente levou os fã a loucura por ficar loira). Esse corte de cabelo era diferente.

Lovato, uma super estrela de 28 anos comprometida com feitos regulares de técnica vocal de nível olímpico, passou de mechas fluidas como uma sereia para um visual que ela sentiu refletido em quem ela realmente era. Em seu novo documentário, Dancing With the Devil (que vai ao ar em quatro episódios no YouTube a partir de 23 de março), os espectadores podem ver uma cantora em êxtase tendo a cabeça raspada. Ela o descreve como um livramento literal de seu passado e um reflexo visual de sua identidade queer, algo que ela recentemente abraçou publicamente.

“Voltando ao ano passado, eu pensei que minha vida seria muito diferente do que foi,” Lovato disse em Zoom de sua casa em Los Angeles, o cabelo agora penteado em uma fada preta. “Em um ponto eu estava noiva de um homem, e agora não estou. E então eu só queria me permitir a liberdade de combinar meu exterior com o que eu sinto por dentro, e foi isso que fiz . “

Depois de um noivado público (e separação) com um ator cis do sexo masculino no ano passado, Lovato está ansiosa para abraçar sua identidade queer. “O rótulo queer é bom porque para mim é apenas uma declaração geral de ser diferente”, diz ela. “É com isso que posso me comprometer. Sinto que sou muito fluida para me comprometer com um rótulo.”

Sexualidade é apenas um dos muitos tópicos profundamente pessoais que Lovato aborda com franqueza inabalável em Dancing With the Devil . O documentário inclui uma série de revelações angustiantes e extremamente dolorosas em torno da agressão sexual, vício e sua recuperação de um distúrbio alimentar ao longo da vida. Lovato olha para a câmera e compartilha tudo, um ato de coragem de aço e generosidade aberta. Ela valoriza a transparência extrema (este é seu segundo documentário do YouTube, depois de Demi Lovato: Simply Complicated , de 2017 ) e pratica uma forma de honestidade radical aos olhos do público.

“Eu só queria me permitir a liberdade de combinar meu exterior com o que sinto por dentro, e foi isso que fiz.”

Mas esse é o seu próprio fardo; no documentário, ela desvenda a pressão insondável de ser vista por milhões como uma garota propaganda da defesa da saúde mental enquanto continua a lutar contra seus próprios demônios. Este documentário certamente ajudará muitos fãs a se sentirem menos sozinhos. Mas fazer isso – e suportar a turnê de imprensa, em que ela tem que falar com jornalistas, estranhos, sobre os momentos mais traumatizantes de sua vida – foi exaustivo. Compreensivelmente, ela não lê sua própria imprensa ou a maioria dos comentários em suas redes sociais.

“Acho que foi logo depois que saí da reabilitação em 2018. Vi um artigo em algum lugar que dizia que eu era obesa mórbida”, disse Lovato. “Esse é o maior gatilho que você poderia escrever sobre alguém com um transtorno alimentar. Isso foi uma droga, e eu queria parar, queria usar, queria desistir. E então percebi que se não olhasse para essas coisas, então elas não poderiam me afetar. Então, parei e realmente tento não olhar para nada negativo. “

E ainda assim ela quer compartilhar. “Acho que os pontos positivos superam os negativos.”

Lovato, nascida Demetria Devonne Lovato em Albuquerque, Novo México, começou sua carreira aos cinco anos, atuando em concursos de beleza em sua cidade natal, Dallas, Texas. Ela se tornou uma estrela da Disney em 2007 depois de conseguir papéis principais na franquia de filmes para TV Camp Rock e na série Sonny with a Chance (ela prefere não se debruçar sobre esse período inicial de sua carreira – o documentário inclui revelações devastadoras e angustiantes de sua Disney dias). Sua voz, áspera, enorme e bonita mesmo quando criança, era inegável, e uma carreira musical de sucesso surgiu rapidamente. Ela lançou seis álbuns de estúdio no topo das paradas, incluindo singles onipresentes como “Skyscraper”, “Sorry Not Sorry” e “Cool for the Summer”.

Tanto sua voz quanto sua personalidade são alegremente exageradas – Dancing With The Devil mostra a amiga e colaboradora Christina Aguilera descrevendo a marca registrada de Lovato “risada turbulenta”. E você a vê fazendo piadas picantes com amigos, relaxando juntos na “sala das nuvens” especial de sua casa, uma área com uma escultura gigante de nuvem fofa que este escritor queria muito comer.

Mas é claro que o documentário costuma ser dolorosamente triste, uma maratona de traumas sofridos. Um de seus principais focos é a overdose de Lovato em julho de 2018 (durante uma recaída após seis anos de sobriedade) por fumar heroína e ingerir oxicodona com fentanil. Isso levou a três derrames, um ataque cardíaco, falência de múltiplos órgãos e pneumonia por asfixia. Seu traficante a agrediu enquanto ela estava incapacitada. Ela tem danos cerebrais permanentes devido aos derrames que se manifestaram como perda de visão (ela não consegue mais dirigir) e descreve os efeitos persistentes como manchas solares em seus olhos. No documentário, sua ex-assistente diz que viu o corpo da cantora ficar azul antes de ser levada para o hospital.

Lovato mudou muito sua vida desde a overdose. Ela diz que agora valoriza seu bem estar muito mais do que há seis anos. Ela passou grande parte da quarentena lendo e explorando sua espiritualidade (ela se autodenomina SBNR, também conhecida como espiritual, mas não religiosa) e até foi a Joshua Tree para se comunicar com alienígenas (uma experiência de “encontros imediatos do quinto tipo”, também conhecida como suposta iniciação humana contato com não terrestres, com Steven M. Greer, fundador do Centro de Estudos de Inteligência Extraterrestre). No entanto, embora ela seja saudável, compelida a ser totalmente franca e totalmente ciente de como sua franqueza é uma forma de defesa, ainda é difícil colocar tanta coisa por aí. Os fãs estão ansiosos para compartilhar suas próprias histórias dolorosas com ela, o que pode ser uma honra e um fardo.

“É exaustivo, sim, e é difícil”, diz ela. “Há razões pelas quais meus encontros e cumprimentos ficaram muito mais curtos ao longo dos anos. Mais do que um punhado de pessoas diriam a você a cada vez, ‘Você salvou minha vida’, ou me mostrariam os cortes em seus pulsos. Eu sei disso eles têm boas intenções, eu sei que eles estão confiando em mim porque não têm mais ninguém. Mas é preciso muito. “

“Na minha carreira, ser uma perfeccionista me beneficia. Na minha vida pessoal, definitivamente não.”

Mas, para Lovato, os sacrifícios de ir a público com suas lutas mais profundas valem a pena. “Não quero viver com medo”, diz ela. “E eu sinto que a melhor maneira de não fazer isso é vivendo minha verdade.”

Uma dessas revelações é a admissão de que ela não está mais totalmente sóbria – ela bebe com moderação e fuma um pouco de maconha. É uma escolha de estilo de vida que não se alinha com a maioria dos programas de tratamento para dependência (para citar Sir Elton John, um viciado em recuperação e uma das muitas cabeças falantes do Dancing With the Devil : “Moderação não funciona”).

Lovato vive assim há dois anos. O documentário tem o cuidado de explicar que essa é uma escolha individual feita por médicos e que não pode e não vai funcionar para todos.

“Do jeito que eu vim é, voltei ao tratamento depois [da overdose], em 2019, depois de escorregar com as substâncias”, diz ela. “Eu tinha me saído muito bem com meu transtorno alimentar, em comparação com os anos anteriores. E quando voltei, meu terapeuta, meu especialista em transtornos alimentares lá, disse: ‘Como você se sente com a recuperação alimentar?’ E eu pensei, ‘Eu me sinto muito bem, mas acho que é porque legalizei muito.’ “

Decidir ir a público sobre a mudança foi um passo corajoso em si mesma. “Eu sinto que queria ter um grande entendimento por mim mesma antes de contar ao mundo sobre isso”, diz Lovato. “E também, é muito importante notar que só porque estou tentando isso não significa que seja para todos. Assim como as visões dogmáticas de sobriedade completa, essa não é uma solução única para todos.”

Controle – tanto em excesso quanto em falta – é um tema persistente nos quatro episódios de Dancing With the Devil . Lovato relata que rebateu os decretos de que ela ficou completamente sóbria aos 19 anos e viveu em uma dieta permanente.

“Na minha carreira, ser uma perfeccionista me beneficia”, diz ela. “Na minha vida pessoal, definitivamente não. Tendo estado em recuperação de distúrbios alimentares, imagem corporal e perfeccionismo não são amigos aos meus olhos, por isso tem sido difícil equilibrar. Mas na maior parte é apenas algo que você tem caminhar com o máximo de graça possível. “

Depois de tirar um tempo da música para se recuperar de sua overdose, Lovato fez um retorno triunfante ao palco no Grammy Awards de 2020 com uma versão icônica instantânea de seu triste single “Anyone”. Ela seguiu cantando o Hino Nacional no Super Bowl. Em janeiro, seu cover de “Lovely Day” de Bill Withers foi um dos destaques da inauguração de Biden. Sua voz é enorme e comovente. Ela tem cachimbos, tem a variedade e mostrou um interesse estudado por várias influências desde seus dias na Disney. Lovato deu uma entrevista aos 16 anos, declarando orgulhosamente seu amor pelo heavy metal, frequentemente presta homenagem aos dias felizes do emo e trabalhou com todos, de John a Lil Wayne.

“Eu penso menos no futuro e na música e mais em viver minha verdade.”

Um novo álbum, Dancing with the Devil … The Art of Starting Over, será lançado em 2 de abril, como uma peça complementar ao documentário. “Mesmo que [o álbum] não seja tecnicamente uma trilha sonora para o documentário, meio que é”, diz ela. “Se você seguir a lista de faixas em ordem, realmente vai de acordo com a forma como minha vida tem se desenrolado no ano passado.”

O álbum começa com power ballads narrando os dias mais sombrios de Lovato (“Anyone”, “Dancing with the Devil”, “ICU”), e então segue para sua recuperação. As letras são específicas e autobiográficas: ela canta sobre como lidar com seu distúrbio alimentar no surpreendentemente otimista em “Melon Cake” (ela só tinha permissão para comer melancia coberta com chantilly em seus aniversários durante anos); e sobre seu pai biológico, que faleceu em 2013 e com quem ela teve um relacionamento complicado, em “Butterfly”.

O subtexto estranho de “Cool for the Summer” torna-se o texto em “The Kind of Lover I Am”, no qual Lovato afirma claramente que “não importa se você é mulher ou homem”. O álbum assume um tom folkier e mostra a Voice, ao mesmo tempo em que permite bater em clubes pós-quarentena. Há “My GFs are My BFs”, um hino clássico de empoderamento feminino com Saweetie , e “Met Him Last Night”, uma colaboração com Ariana Grande que destaca duas das vozes mais poderosas do pop.

É seguro dizer que o documentário existe em parte para garantir que Lovato possa continuar a fazer música? A manutenção do estrelato no nível de Lovato é complicada. Os fãs querem uma história pessoal para se agarrar, então a estrela dá e dá. Mas com a transparência vem um maior escrutínio em pontos já machucados, tornando a fama como uma cobra comendo sua própria cauda. Mas ela não vê dessa forma.

“Eu penso menos no futuro e na música e mais em viver minha verdade”, ela diz. “Se cada decisão que eu fizesse fosse baseada no meu futuro, eu estaria viajando pelo futuro o tempo todo. Eu não estaria vivendo no momento presente.” E é onde ela gosta de estar.

FONTE: https://www.papermag.com/demi-lovato-phones-home-2651147453.html?rebelltitem=34#rebelltitem34