O diretor Michael D. Ratner conta detalhes sobre o processo de gravação do novo documentário de Demi Lovato
O diretor Michael D. Ratner conta detalhes sobre o processo de gravação do novo documentário de Demi Lovato

Ratner fala sobre dirigir a abertura do SXSW e o documentário de quatro partes feito pelo YouTube Originals que oferece ao público uma visão crua da cantora pop após sua overdose de 2018: “O que quer que eles pensem que aconteceu está provavelmente muito longe do que realmente aconteceu.”

Demi Lovato estava no meio das filmagens de um documentário ainda inédito quando um dia trágico em 2018 interrompeu tudo.

A cantora foi levada às pressas para o hospital em 24 de julho de 2018, após sofrer uma overdose quase fatal. Após sua overdose, Lovato foi hospitalizada por duas semanas antes de entrar em uma clínica de reabilitação. Embora Lovato tenha falado abertamente sobre suas lutas aos olhos do público, ela permaneceu relativamente calada sobre o tal dia assustador, onde ela revelou ter deicado a poucos minutos da morte em decorrência de sofrer um ataque cardíaco e três derrames.

Agora, em uma nova docu-series de quatro partes do YouTube Originals, Demi Lovato: Dancing With the Devil, a cantora revelará o que realmente aconteceu antes e depois do incidente que mudou sua vida. A série é dirigida e produzida por Michael D. Ratner, cujo trabalho anterior inclui a docu-series de Justin Bieber: Seasons . Ratner também é o fundador / CEO da OBB Media, que produziu o projeto. 

Antes da estreia do documentário no SXSW, Ratner falou ao The Hollywood Reporter  sobre sua abordagem para contar a história pessoal de Demi, construindo confiança com a cantora e compositora e seu círculo íntimo e dando ao público a chance de conhecer a estrela pop autenticamente.

Qual foi sua reação ao saber que Dancing With the Devil abriria o SXSW? 

Fiquei emocionado! Você se afunda tanto em um projeto que tem uma visão de túnel sobre qual será sua resposta no mundo e fica tão perto dele que nem sabe mais o que está fazendo. Para nós, finalmente, conseguir o lugar de estreia foi muito especial. Demi e eu falamos sobre a natureza poética de que ela é do Texas [e] obviamente o festival é no Texas. Por outro lado, como era perturbador não podermos ir para Austin e estar no teatro. Mas há algo especial sobre o fato de que ele obteve esse prêmio e que fizemos o documentário nesta época tentadora e bizarra de 2020, e que vai estrear nesta primeira versão virtual. Foi muito especial. Parecia uma notícia bem merecida – depois de tantos meses – uma notícia. Demi estava emocionada.

Como você acabou fazendo parte desse projeto?

Demi viu minha série anterior, Justin Bieber: Seasons . Quando soube que ela amou e queria contar sua história, achei que era uma oportunidade poderosa. Essa era outra superestrela global que queria falar sobre seu próprio conjunto de questões e desestigmatizar as questões de saúde mental e dizer: “Tudo bem não estar bem e falar sobre essas coisas.” Acho que todos nós passamos por coisas. Se algumas das pessoas que procuramos estiverem dispostas a falar sobre seus problemas, isso potencialmente ajudará muitas pessoas. Quando soube que ela queria falar sobre, eu dirigir sua história, fiquei emocionado e nos sentamos e conversamos sobre nossa visão e o resto é história. 

Eu sei que havia um documentário original que Demi estava filmando e você não estava dirigindo. Então, qual foi a sua abordagem ao entrar neste projeto com uma direção inteiramente nova e decidir como você queria que fosse filmado e o que você realmente queria ter certeza de que fosse abordado? 

Fui convidado para entender o que aconteceu antes de chegar e entender quem eram os jogadores. Eu olhei para aquele projeto anterior como um fato e algo que precisávamos incorporar. Obviamente [quando]  Simply Complicated  [documentário de Lovato de 2017] foi lançado, foi um grande sucesso. Tinha outro em andamento e foi interrompido por causa da overdose. Eu não queria ignorar esse fato ou agir como se o filme não estivesse acontecendo. Nós até mostramos alguns momentos inacabados daquele documentário inédito porque não há nenhuma postura de Hollywood aqui. Essa é a verdade. Então, quando herdei a filmagem de uma situação, me dediquei para isso. Eu não fugi dela.

Por que você dividiu a docuseries em quatro partes?

Acho que quatro partes pareciam certas para mim porque cobrimos muitos tópicos. Se fosse um filme lançado de uma vez, não acho que conseguiríamos o devido diálogo sobre cada um dos tópicos. Há tantas conversas que Demi e eu esperamos desencadear como resultado disso – conversas importantes. Liberar tudo de uma vez teria resultado em ignorar algumas coisas que eu acho que merecem seu próprio momento no tempo e sua própria grande conversa.

Está claro nesta série que Demi não tem filtros e é crua de maneiras que não vimos ela ser antes. Como foi para você ter uma visão dos bastidores da vida pessoal de alguém? 

Sempre que faço um projeto em que tenho esse nível de acesso, eu levo muito a sério. Eu acho que é uma experiência tão pessoal e o mais próximo que você poderia chegar de outra pessoa. Acho que tudo se baseia na confiança, e sempre sinto que temos conversas muito diretas sobre qual é o objetivo e a visão, e contanto que você permaneça fiel a isso o tempo todo, você realmente será capaz de fazer algo poderoso . Sempre há esses momentos em que você fica tipo: “Uau, se o mundo pudesse ver o que estou vendo agora.” Na maior parte do tempo, quando digo isso a mim mesmo, penso: “Por que eles não podem?” e eu filmei. Acho que essa é a mágica. É por isso que estou lá. Estou lá para escolher os momentos que devemos compartilhar com o mundo. De Claro, há momentos em que você fica tipo, “Eu deveria recuar um pouco” ou “Temos trabalhado sem parar”. Você não está morando com eles. Não é uma câmera 24 horas por dia, 7 dias por semana, mas você quer descobrir como manter alguém com energia e engajado por um longo período de tempo. Não é como se essa coisa fosse filmada em alguns meses; foi filmado ao longo de um ano e uma pandemia. Você chega o mais perto que pode chegar do andar de uma pessoa.

Considerando que a série é tão pessoal, como você encontrou o equilíbrio de realmente chegar ao extremo emocional das coisas e ao mesmo tempo respeitar os limites e a privacidade dela? 

A frase favorita de Demi é, “Eu sou um livro aberto com limites.” Eu acho isso instintivo, certo? Você precisa ser capaz de ler e saber quando pressioná-la e quando não. Em última análise, meu trabalho é ouvir e criar uma plataforma para Demi dizer o que ela quer dizer. Em alguns assuntos e momentos mais sombrios de sua vida não é minha função pressioná-la e dizer a ela para compartilhar mais de uma história do que ela gostaria. É apresentar a ela uma oportunidade em um espaço seguro para contar sua verdade e, finalmente, moldar essa história de uma forma coesa que seja verdadeira para que o mundo possa saber o que ela passou e compartilhar sua experiência única para ajudar os outros. 

No trailer , Demi diz que vai dizer tudo e então algumas partes podem ser editadas. O quanto foi editado?

A maior parte ficou nocorte, o que me deixou muito emocionado porque acho que é uma dessas histórias em que se você puxar uma peça, tudo desmorona. Não sei se Demi tinha certeza de que contaria todos os detalhes do que aconteceu em 2019 porque foi uma estrada acidentada mesmo depois do incidente de 2018. Acho que ela estava lá para deixar tudo claro. Este é o momento dela para responder a todas essas coisas. Ela simplesmente queria compartilhar mais e mais de sua história.

Eu imagino que as pessoas do círculo próximo de Demi a protejam e possam ter dúvidas sobre como sua história é apresentada. Como você conquistou a confiança das pessoas mais próximas a ela para participar do documentário e não terem medo de realmente dizer tudo?

Eu dei o tempo. Pedi apresentações e conheci essas pessoas. Como você acabou de dizer, quando você é uma mega estrela com cem milhões de seguidores no Instagram e o mundo inteiro olhando para você, seu círculo é muito fechado e você fica muito cético em convidar outras pessoas, especialmente alguém que ninguém realmente sabe e você está dando acesso a tudo. Leva apenas tempo e confiança e, em última análise, isso é conquistado porque você começa a se conhecer. Eles começam a ver o seu trabalho e a ver como você opera. Sou sempre muito direto e tenho orgulho da forma como atuamos: com integridade e honestidade.

O trailer também ttrouxe as aparições de Elton John e Christina Aguilera. Você pode falar sobre como surgiu o envolvimento deles? 

Eu conversei com Demi sobre como ela não só impacta milhões de Lovatics, mas também tem relacionamentos incríveis com ícones. Acho que ela toca as pessoas de uma maneira muito profunda. Ela representa muito. Ela é uma boa pessoa global, não é apenas isolado em uma área específica. Eu acho que ouvir como ela impactou outras pessoas que andaram em trilhas semelhantes com muitos olhos fixos neles, foi realmente interessante. Isso apenas mostra um lado totalmente diferente. Não era apenas “Ei, vamos trazer algumas celebridades”. Você obviamente vê quando eles falam que eles têm relacionamentos significativos com Demi e isso porque ela é uma pessoa especial.

Demi teve controle sobre quem falaria no documentário e o que foi dito?  

Sim. Ela realmente me deu as chaves e disse: “Quero que você me faça quantas perguntas quiser e, em seguida, comece a me dizer quem você acha que devemos e não devemos”, e isso foi através de conversas fora das câmeras. Realmente tivemos conversas profundas sobre os prós e os contras de colocar toneladas de pessoas. Era realmente sobre quem a impactou e quem fez parte de sua vida. Não falta ninguém que Demi realmente quisesse no projeto, o que é fantástico.

Nesta série, você abordará assuntos delicados. Além da contribuição de Demi, você trabalhou com algum especialista em recuperação para discutir como abordar tópicos como dependência e recuperação, mas também overdoses?

Sim, nos bastidores. Não sou médico, não sou especialista, sou cineasta e alguém que se preocupa profundamente em iniciar um diálogo, não dando ou tentando dar respostas sobre como as pessoas deveriam viver suas vidas. Eu queria ouvir opiniões diferentes. Então, falamos com especialistas nos bastidores para entender como posicionar as coisas. Temos sido muito cuidadosos ao colocar lembretes sobre como você pode buscar ajuda e tratamento. O objetivo aqui é apenas desestigmatizar a conversa sobre saúde mental. No final das contas, se tivermos sucesso nisso, então fizemos algo realmente poderoso.

Qual foi a parte mais emocionante do documentário para você?

A série inteira me afetou porque era como descascar as camadas de uma cebola, na medida em que ficava cada vez mais intensa. Houve várias vezes em que eu me sentava com Demi e aprendia novas partes da história – exatamente quando eu achava que não poderia ficar mais complicado ou difícil. Foi difícil ouvir algumas dessas coisas. E sentar-se com sua mãe e seu padrasto e ouvir a perspectiva de uma mãe sobre quase perder a vida de sua filha foi muito, muito difícil.

Você começou a filmar na primavera de 2020 e mencionou que era um longo processo de filmagem. Quando você parou de filmar? 

Paramos muito recentemente. Eu ainda estava colocando coisas no episódio quatro até que eles não me deixaram mais. Eu recebia ligações da Demi como, “Ei, você deveria estar aqui amanhã” e ela dizia, “Estou cortando todo o meu cabelo”. Eu estava tipo, “Oh meu Deus!” Você sabe, isso é grande, grande coisa que era simbólica e, no final das contas, fazia parte da história de seu renascimento e do corte de laços com seu passado. Se você está se inscrevendo para dirigir Demi Lovato, é melhor estar pronto para continuar filmando. Há tanto crescimento e tantos desenvolvimentos que é melhor você estar pronto para seguir em frente. Então, nós filmamos até algumas semanas atrás.

Esta série de documentários está chegando em um momento em que há muita cobertura sobre o tratamento dispensado a jovens celebridades,  as pressões da fama e a pressão para serem modelos, especialmente entre as jovens estrelas. Como você espera que este projeto possa contribuir para a conversa?

Não está perdido em mim. Essa conversa está fervendo e certamente é muito comum agora. Estou animado para as pessoas ouvirem. Podemos estar falando sobre isso de uma maneira nova, mas isso não é nada novo. Demi e Britney [Spears] e todas essas outras pessoas que passaram por coisas semelhantes, devemos mostrar a elas alguma indulgência e respeito. Devíamos ter uma conversa sobre como nos tratamos e o microscópio que são colocados nessas jovens em uma idade precoce e a imensa pressão que sofrem. Demi tem 28 anos e viveu uma vida pesada. Acho que ela está pronta para o futuro e pelo melhor ainda está por vir. 

Há tantos fatores envolvidos na história de Demi, e uma grande mão nisso é a pressão de ser uma estrela da Disney – e havia outras contribuições e situações relacionáveis ​​que estão sendo comentadas. Estou animado para entrar nessa conversa porque acho que a ideia de compartimentar todas as questões nisso é tola. Há uma sobreposição entre tudo isso, quer estejamos falando sobre vício, sua luta contra os transtornos alimentares, o escrutínio público, a lista é interminável. Às vezes, podemos não saber exatamente o que levou ao outro, mas todos eles se alimentam. Se pudermos começar a falar sobre como identificar alguns dos problemas da mídia, isso pode ajudar a levar a uma conversa. 

Do seu tempo trabalhando com Demi, houve algo que você tirou ou aprendeu sobre ela que não sabia antes? 

Eu não sabia de seu profundo amor pela Taco Bell Mexican Pizza. Ela organizou um funeral para o Mexican Pizza quando o tiraram do cardápio no Taco Bell. Portanto, essa pode não ser a resposta que você esperava. ( Risos )  Eu também aprendi que ela quer ser conhecida como uma pessoa compassiva, mais do que até mesmo uma artista. Ela realmente se preocupa profundamente com tantos tópicos diferentes, e ela tem falado muito sobre seu ativismo durante a eleição, e ela defende aquilo em que acredita, não o que vai resultar em maior popularidade ou mais vendas. Acho que é isso que a torna ainda mais popular: sua disposição de seguir seu coração, sua intuição e suas crenças acima de tudo é poderosa. Eu sabia um pouco disso, mas tenho certeza depois dessa experiência.

Já que as revelações estão sendo mantidas em segredo, o que você pode sugerir o que o público pode esperar desta série?

O que quer que eles pensem que aconteceu provavelmente está muito longe do que realmente aconteceu. O que não foi documentado são os detalhes de sua vida que levaram àquela noite. Havia muito na mídia sobre quais drogas ela estava tomando ou o que aconteceu, e enquanto nós esclarecemos isso e conversamos sobre o que aconteceu e quais drogas ela usou, sua história e decisões naquela noite não começam de manhã quando seu alarme dispara. Começa muitos, muitos anos antes, e para ter uma visão completa e empatia e entender o que alguém passa. Fornecemos essa oportunidade para você ter uma imagem completa aqui e, em seguida, fazer seu julgamento, se desejar. Você conhecerá Demi autenticamente. Acho que você vai saber que ela é uma pessoa muito impressionante e especial que já passou por muita coisa e está, assim como você ou eu, trabalhando em si mesma.

FONTE: https://www.hollywoodreporter.com/amp/news/demi-lovato-dancing-with-the-devil-helmer-says-singer-was-ready-to-clear-the-record?__twitter_impression=true